Aprenda a se proteger

O Coronavírus é, segundo o Ministério da Saúde, é uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias de leves a moderadas em seres humanos e animais e é conhecido desde a década de 60.

Já o novo coronavírus – nCoV-2019 – é o que tem causado doença respiratória. Foi descoberto no fim de dezembro de 2019 após ter casos registrados na China.

Até o dia 27 de março, segundo o Ministério da Saúde, no Brasil, são 3.417 casos confirmados com 92 óbitos. Essa situação mobilizou organismos internacionais e a comunidade científica na busca por respostas sobre prevenção e tratamento.

Geralmente, infecções por coronavírus causam doenças respiratórias semelhantes a um resfriado comum, mas alguns pacientes podem apresentar complicações e desenvolverem problemas respiratórios graves que levam ao óbito, por isso, todo cuidado é pouco.

A transmissão dos coronavírus de pessoa para pessoa costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como:

  • gotículas de saliva;
  • espirro;
  • tosse;
  • catarro;
  • contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão;
  • contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

O vírus pode ficar incubado por duas semanas, período em que os primeiros sintomas levam para aparecer desde a infecção.

O diagnóstico é feito com a coleta de materiais respiratórios. O tratamento indicado é repouso e consumo de bastante água, além de algumas medidas adotadas para aliviar os sintomas, conforme cada caso. Assim que os primeiros sintomas surgirem, é fundamental procurar ajuda médica imediata para confirmar diagnóstico e iniciar o tratamento.

Os sintomas do novo coronavírus são principalmente respiratórios, semelhantes a um resfriado. Podem, também, causar pneumonias. Os principais sintomas são: febre, tosse e dificuldade para respirar.

Não há motivo para pânico, no entanto, é necessário que alguns cuidados sejam tomados a fim de evitar a transmissão. Entre as medidas estão:

  • Evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas;
  • Realizar lavagem frequente das mãos, especialmente após contato direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente;
  • Utilizar lenço descartável para higiene manual/nasal;
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
  • Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
  • Manter os ambientes bem ventilados;
  • Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença;

A prevenção é uma das melhores formas de evitar o contágio. Cuidado com as fake news, procure informações oficiais no site do Ministério da Saúde.

agencia